Autor da morte de Rufino condenado a 18 anos de prisão

O 1º sargento das Forças Armadas Angolanas (FAA), José Alves Tadi, foi condenado a 18 anos de prisão maior, hoje (terça-feira), pelo Tribunal Provincial de Luanda, após provar-se culpado pela morte do adolescente Rufino António, ocorrida a seis de Agosto de 2016, no município de Viana, em Luanda.

A morte do adolescente de 14 anos ocorreu durante uma operação de demolição de casas supervisionada pelo efectivo das FAA. Durante a qual José Tadi efectuou disparos para dispersar a população, tendo um dos tiros atingido mortalmente a cabeça de Rufino António.

Segundo a Rádio Nacional de Angola, a sentença ditada pelo Tribunal de Luanda obriga ainda que José Alves Tadi indemnize a família do defunto no valor de um milhão e 100 mil kwanzas de taxa de justiça.

Já José Pequenino e Lucas Tulikundene, igualmente militares arguidos que estavam a aguardar o julgamento em liberdade, foram condenados, tal como Gabriel Domingos, outro militar, a penas de um ano de prisão efectiva.

O Ministério Público acusara, de autoria da morte de Rufino António, os três militares por terem sido os autores dos disparos com armas de fogo durante os protestos contra a demolição de casas ocorrida há dois anos.

Em reacção, o advogado da família, Luís Nascimento, entende que pelo facto de os militares terem agido ao serviço do Estado, o mesmo devia pagar à família do adolescente uma indemnização cível de 20 milhões de kwanzas.

O advogado esperava, igualmente, que o oficial superior que chefiava a Região Militar que ordenou a operação fosse ouvido em tribunal.

 

Post Author: facesdeangola

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *