Sindicato de professores denuncia intimidações

A greve dos professores entrou ontem no quarto dia e o SINPROF, através do seu secretário-geral, denuncia a prisão e a intimidação de seus filiados em algumas províncias, depois do fracasso nas conversações realizadas, na terça-feira, entre o Ministério da Educação e a agremiação sindical.

Em declarações à RNA, o secretário-geral do SINPROF, Guilherme da Silva, disse haver intimidações e irregularidades em várias províncias do país, no que diz respeito ao cumprimento da Lei da Greve e não só.
De acordo com Guilherme da Silva, está a circular nas redes sociais um áudio, supostamente atribuído à directora do gabinete jurídico do Ministério da Educação, na qual ameaça os professores que aderiram à greve, considerando o acto ilegal.
O sindicalista afirma, que haviam sido detidos, no Cuanza-Norte, dois professores que, entretanto, já foram soltos, numa altura em que a agremiação sindical recebeu denúncias de ameaças e coações de filiados em Benguela, Huambo, Bié, Cuando Cubango e Zaire.
Guilherme da Silva diz, que a greve dos professores vai continuar até à realização do encontro, no final desta semana, com todos  os secretários provinciais, onde deverá sair uma decisão definitiva sobre o fim ou continuação da greve, que em princípio decorre até ao próximo dia 27.
“A greve continua até a nossa reunião no final desta semana, com todos os secretários provinciais, e só depois é que tomaremos uma posição”, disse o responsável do SINPROF, que anunciou que os advogados da agremiação vão levar a tribunal todas as questões que se prendem com violações à Lei da Greve, registadas nos últimos dias.
No Moxico, a realização das primeiras provas do professor, relativas ao  primeiro trimestre do presente ano lectivo, estão comprometidas devido a greve, Cesaltino Neves, chefe da secção de gestão dos recursos humanos da Direcção Provincial da Educação.
O Secretariado do Bureau Político do MPLA, recomendou ontem, em Luanda, ao Executivo no sentido de envidar todos os esforços para que se encontrem consensos para a questão da greve dos professores, iniciada no dia nove do corrente mês.
Segundo o comunicado produzido no final da segunda reunião extraordinária do Secretariado do Bureau Político, orientada pelo vice-presidente do MPLA, João Lourenço, este órgão apela, da parte dos professores, compreensão e uma atitude em prol das crianças e do seu direito à educação e ensino.

Post Author: facesdeangola

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *