500 milhões de dólares estão nos cofres do BNA

O Estado angolano recuperou os 500 milhões de dólares transferidos indevidamente para a conta de uma entidade privada, em Londres, Reino Unido, anunciou ontem, em comunicado, o Ministério das Finanças.

A recuperação do dinheiro, que já está na posse do Banco Nacional de Angola, aconteceu na sequência das diligências feitas desde Outubro do ano passado, por orientação do Titular do Poder Executivo, João Lourenço. De acordo com o comunicado, as autoridades angolanas, mantêm-se empenhadas na recuperação da totalidade dos valores pagos, no âmbito da estruturação da referida operação financeira, nomeadamente, a recuperação de 24,85 milhões de euros, indevidamente transferidos para a conta da empresa Mais Financial Services, resultante de uma prestação de serviços não realizada.
O Ministério das Finanças, informa que no decorrer do ano de 2017, antes da realização das eleições gerais, em Agosto, a empresa Mais Financial Services, administrada pelo cidadão angolano Jorge Gaudens Pontes e auxiliado  por José Filomeno dos Santos, propôs ao Executivo a constituição de um Fundo de Investimento Estratégico que mobilizaria 35 mil milhões de dólares, para o financiamento de projectos considerados estratégicos para o país.
O grupo propunha ainda, a constituição de um outro Fundo de Moeda Externa, que colocaria a quantia semanal de 300 milhões de dólares para atender as necessidades do mercado cambial interno por um período de 12 meses.
De acordo com o comunicado, toda a operação seria intermediada pela Mais Financial Services, que contava, alegadamente, com o suporte de um sindicato de bancos internacionais de primeira linha.
Para o efeito, os promotores apresentaram como condição precedente a capitalização de 1,5 mil milhões de dólares americanos, por parte das autoridades angolanas, acrescido de um pagamento de 33 milhões de euros para a montagem das estruturas de financiamento.
 

Post Author: facesdeangola

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *