Panguila vive sérios problemas

O Panguila, tem 50 mil habitantes e vivem os seus piores dias. A localidade enfrenta graves problemas de saneamento básico e falta de água potável. Devido à escassez de contentores, a população deposita o lixo nas valas de drenagem e muitas ruas estão intransitáveis.

Os esgotos estão entupidos, as águas residuais e pluviais correm pelas ruas. Ao longo das vias de acesso, observam-se grandes quantidades de lixo e muito capim que cobrem grande parte do terreno, impedindo a circulação automóvel.
As vias carecem de manutenção urgente, os táxis não circulam no interior do bairro, porque as ruas estão  degradadas. Em vários pontos da localidade o lixo cresce. Não há contentores. No Panguila, não funciona uma única empresa de limpeza e recolha de resíduos sólidos.
O projecto habitacional do Panguila, tem mais de oito mil residências, distribuídas em 11 sectores, a área foi construído pelo Executivo, a partir de 2003 para realojar, inicialmente, cidadãos que viviam em zonas de risco, na capital do país, próximo das valas de drenagem e em linhas de água.
A maioria dos moradores, saíram do Cazenga, Cacuaco, Maianga, Rocha Pinto, bairro da Kinanga e, principalmente, da zona da Marginal (Chicala II e Favela).
Em 2016, o Panguila deixou de pertencer à província de Luanda e foi incorporado ao Bengo. Mas hoje, ninguém sabe dizer, o do ponto de vista administrativo, a localidade passou a ser considerada bairro ou comuna.

Isolde Sangama, presidente da comissão de moradores, do Projecto Modular do Panguila, disse que a localidade, enfrenta problemas ligados à água e saneamento básico.
“Os esgotos estão entupidos, aqui já não fazem recolha de lixo. Os cidadãos, de forma desorientada, depositam o lixo em qualquer lugar, sobretudo nas valas de drenagem, impedindo, desta forma, a passagem das águas residuais”, lamentou.
Isolde Sangama, afirmou que a situação tem criado sé­rios problemas à saúde da população, já que se produz diariamente grandes quantidades de lixo. “Com os esgotos entupidos, muitas vias de comunicação também ficaram intransitáveis. É urgente que se faça o desassoreamento das valas.”
Para Isolde Sangama, a localidade dispõe de três pontos bem identificados, onde a população deve depositar o lixo. Mas Isolde Sangama, reconheceu que os locais ficam distantes de uns e próximo de outros. Daí a necessidade de se colocar contentores, em vários pontos da localidade: “Os cidadãos já não se dão o trabalho, de se deslocarem até aos pontos indicados. Acham que ficam muito longe das suas residências, e acabam por colocarem o lixo de forma propositada em qualquer lugar. Mas, o maior problema do Panguila é a ausência de empresas de limpeza e recolha de lixo.”
As ruas do Panguila, estão degradadas por falta de ma­nutenção. Isolde Sangama, avançou que algumas vias já apre­sentam sinais de ravinas, com níveis de propagação que inspiram preocupação. “Há ruas onde nem os camiões passam”.

Post Author: facesdeangola

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *