Encerradas farmácias e postos médicos ilegais

O chefe de departamento de Inspecção da Direcção Provincial de Saúde, do Cuando Cubango disse, ao Jornal de Angola, que a instituição encerrou Janeiro á Dezembro do ano em curso, 12 farmácias, dois postos e um centro médico privado, que exerciam ilegalmente a actividade sanitária, na cidade de Menongue.

Tiago Nunda, explicou que as farmácias foram encerradas por falta de pessoal formado no ramo, alvará para o exercício da actividade farmacêutica, má conservação e venda de medicamentos, com prazo de validade expirado, entre outros pressupostos que permitem o funcionamento da referida instituição.
No que toca ao centro e aos postos médicos, foram fechados por não reunirem condições para o internamento de pacientes, por falta de médicos, de consultórios, laboratórios de análises e com a gravidade de realizarem intervenções cirúrgicas à margem das normas.
“ Os postos médicos privados, não devem efectuar internamento de pacientes e intervenções cirúrgicas, independentemente das condições materiais e humanas” disse Tiago Nunda, para acrescentar que as instituições encerradas não obedeciam a estas normas, violando a legislação em vigor no país.”
O mesmo, informou que apenas os centros médicos têm a capacidade para internar doentes e realizar pequenas cirurgias.
A Inspecção da Saúde, segundo Tiago Nunda, apurou que muitos pacientes que buscavam assistência médica e medicamentos nas referidas unidades médicas, eram submetidos a intervenções cirúrgicas em condições impróprias e por técnicos não especializados.

Post Author: facesdeangola

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *