Oportunidade na dificuldade

Nos últimos anos a palavra crise passou a fazer parte do dicionário de todas as famílias angolanas ,causando está quase a mesma reação tenebrosa que a palavra morte .
Mas o que poderia ser a fonte de destruição de muitos lares, tornou-se numa onda de reajustes , contenção de gastos e custos de oportunidade .
O aumento do número dos despedimentos aumentou o espírito de empreendedorismo dos angolanos e criou a possibilidade de se fazer pequenos negócios com baixos orçamentos .
Para quem tornar-se empresário parecia ser uma ideia utópica ou um sonho distante , nesta fase passou a ser uma realidade . Refiro-me aos novos vendedores de roupas online com direito à serviço de entregas , os vendedores de refeições e bebidas alcoólicas nas suas residências sem que para isso paguem impostos ao Estado, os organizadores de eventos e bazares, intermediários de aluguel de casas e os comerciantes de dívisas, houve até quem converteu as suas casas em salões de beleza ou transformou os seus próprios carros em transportes públicos para ajudar na renda do mês .
Economia de mercado ou necessidade ? Aqui impera a velha máxima “quem não tem cão ,caça com gato “.
O certo é que as famílias angolanas encontraram fontes alternativas de rendimentos para fazer face à este realidade econômica.

Post Author: facesdeangola

3 thoughts on “Oportunidade na dificuldade

    Igor

    (16 Dezembro, 2017 - 00:17)

    É verdade, em tempos de crise se criam oportunidades. Mas a crise também pode ser cruel.

    Rodrigues De Carvalho

    (16 Dezembro, 2017 - 17:06)

    Ora nem mais. A crise criou gestores, criou economistas no sentido literal da coisa. Esta crise faz parte de um ciclo económico e os mais atentos já o sabiam e sabem o quão lógico ela é. “Só os ciclos são eternos”

    Euclidia

    (16 Dezembro, 2017 - 21:34)

    Excelente! Gostei da practicidade e do caracter simples do artigo, que ainda assim foram capazes de despertar interesse e fomentar o pensamento crítico e analítico no que concerne a actual fase econômica do país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *